Você está aqui: Início / Compreender a tecnologia / Serviços de localização

Serviços de localização

O que são os serviços de localização?

Um serviço baseado na localização utiliza a localização geográfica do seu telemóvel e de outros dispositivos móveis que estejam equipados com funcionalidades de localização (por exemplo, a Nintendo DS) para disponibilizar actualizações sobre trânsito e meteorologia, informações locais (por exemplo, onde se encontra o multibanco mais próximo), entretenimento, publicidade, localização de amigos, e informação sobre a sua localização aos serviços de emergência, se os contactar em situações de urgência

Há vários tipos de serviços baseados na localização:

  1. Serviços de localização para um único utilizador, iniciados pelos utilizadores para os ajudar a obter informações locais, tais como actualizações sobre trânsito e meteorologia e sobre lugares e serviços locais. Não é partilhada nenhuma informação com outras pessoas quando utiliza estes serviços
  2. Serviços de localização multiutilizador, que permitem que o utilizador partilhe a sua localização com outros utilizadores do serviço
  3. Serviços de localização passiva: a pessoa que está a ser localizada não está a utilizar o serviço de localização, mas pode ter autorizado outra pessoa ou serviço a localizá-la (por exemplo, pode ter consentido offline ou através de uma mensagem de texto)

Embora já existam há algum tempo, os serviços baseados na localização tornaram-se mais populares recentemente. O seu sucesso deve-se aos seguintes factores:

  • Ao aumento do número de telemóveis que incluem GPS e/ou acesso a Wi-Fi, tais como o iPhone, Blackberry Bold, ou Nokia e outros “smart phones”. Tanto o GPS como o Wi-Fi identificam e comunicam a localização do serviço sem que o operador de redes móveis tenha conhecimento
  • À possibilidade de descarregar para o telemóvel, a partir da internet, aplicações (frequentemente chamadas “apps”) baseadas na localização e de utilizar no telefone sítios e navegadores que disponibilizam funcionalidades de localização. As empresas que desenvolvem estas “apps”, sítios e navegadores – desde grandes marcas como a Apple, Google, Microsoft e Yahoo! até empresas recém-estabelecidas como a Foursquare, Loopt e Rummble – podem então encontrá-lo

Sabia que?

Segundo a ABI Research, nove em cada 10 “smart phones” vão incluir GPS até 2014, relação que era de um em cada três em 2008

Estes novos serviços baseados na localização não são sempre disponibilizados ou controlados pelas redes móveis – conseguem identificar a sua localização através de uma combinação de redes móveis, GPS e pontos Wi-Fi. Estão disponíveis milhares destas aplicações, e estas estão a ser cada vez mais integradas em redes sociais online para que possa partilhar a sua localização com os seus amigos.

O que preciso de saber sobre eles?

Embora a disponibilidade de informação sobre a localização traga muitas vantagens, também se discute o facto de os serviços de localização poderem representar um risco para privacidade e segurança dos utilizadores de telemóveis – em particular dos mais jovens – porque, pela sua natureza, monitorizam onde estão. Neste artigo, vamos dar-lhe exemplos de serviços baseados na localização reais e mostrar-lhe como são (através de capturas de ecrã e ligações) para que possa falar com os seus filhos sobre estes serviços com confiança.

Sabia que?

Segundo a Ofcom, no Reino Unido, quase três quartos (72 por cento) dos pais com filhos entre 5 e 15 anos receiam que outras pessoas possam localizar os seus filhos através do telemóvel utilizando serviços baseados na localização

Até recentemente, os serviços baseados na localização concentravam-se na localização e orientação geográfica pessoal, perguntando o utilizador “Onde estou?”. Actualmente, estão cada vez mais a concentrar-se em serviços mais sociais do tipo “Onde está?” e “Aqui estou!”; serviços aos quais o utilizador terá de aderir a partir de uma aplicação de mapeamento ou das redes sociais. Estas aplicações permitem, por exemplo, que grupos de amigos se encontrem à última hora ou que os jovens informem os pais que chegaram com segurança ao seu destino.

Já pode ter ouvido falar no Google Latitude, uma funcionalidade disponibilizada no Google Maps em 2009 a que se poderá aceder em telemóveis e PCs, por exemplo. Permite-lhe partilhar a sua localização e ver onde estão os seus amigos e a sua família num mapa digital.

Similarmente, o Vodafone 360 permite que as pessoas partilhem a sua localização física com os seus contactos quando se encontram distantes.

Este tipo de aplicação pode ser muito entusiasmante para os jovens, uma vez que os ajuda a gerir as suas redes sociais, mas há potenciais riscos que lhe estão associados, se não for gerida correctamente.

Os seus filhos poderão utilizar este tipo de serviço de localização juntamente com os seus perfis no Facebook ou MySpace , por exemplo, para que todos os que estejam na sua lista de “amigos” possam ver onde estão a qualquer momento. De facto, o Facebook lançou em 2010 um produto de serviços de localização integrados – chamado Facebook Places – que permite que os utilizadores façam “check-in” e partilhem a sua localização com os seus amigos online.

Se alguns dos “amigos” online dos seus filhos são pessoas que nunca conheceram no mundo real, isto poderá significar que estranhos sabem a sua localização quase exacta e podem mesmo ser capazes de deduzir onde vivem e que escola frequentam (uma vez que estas serão as suas localizações mais frequentes). Por esta razão, muitos destes serviços estabelecem uma idade mínima para a sua utilização, para proteger os utilizadores mais jovens. Apresentação do Google Latitude

Google Latitude – Sugestões sobre Privacidade

Várias empresas também disponibilizam serviços baseados na localização que utilizam localizações fornecidas pela rede móvel para o ajudar a monitorizar os seus filhos através do telemóvel sem que tenha de lhes telefonar ou enviar uma mensagem. Se estiverem sediadas no Reino Unido, estas empresas têm de cumprir um Código de Prática do sector antes que o operador da rede móvel permita o seu serviço.

Contudo, há que considerar que este tipo de serviço de localização só pode localizar o cartão SIM# do telemóvel, e não necessariamente os seus filhos – se deixaram o telemóvel em casa, por exemplo, essa será a localização detectada. Além disso, para que o serviço funcione, o telemóvel tem de estar ligado e activado na rede. Se estiver desligado ou fora do alcance da rede, só é possível fornecer a localização do cartão SIM em relação à última vez em que este foi detectado pela rede móvel.

Uma vez que os serviços de localização permitem descobrir onde alguém está, estão sujeitos a abuso. Pode recear que estranhos utilizem serviços baseados na localização para saberem onde estão os seus filhos e descobrirem a identidade deles sem o seu conhecimento, por exemplo. Portanto, é crucial que os seus filhos estejam cientes dos riscos associados à monitorização da sua localização.

  • Fale com os seus filhos enfatizando a importância de manterem o número de telemóvel privado e de terem cuidado com o equipamento
  • Explique-lhes porque devem ser honestos sobre a idade quando se registam em aplicações e serviços Web/para o telemóvel – alguns serviços baseados na localização estabelecem uma idade mínima para ajudar a proteger os utilizadores de telemóvel mais jovens
  • Se os seus filhos se quiserem registar num serviço de localização na internet ou telemóvel, verifique se têm idade para aderirem ao serviço, leia e fale com eles sobre a política de privacidade, e mostre-lhes como tirar partido da maioria das funcionalidades de privacidade incorporadas
  • Explique-lhes que os serviços baseados na localização não permitem saber apenas onde estão, também estão ligados à sua identidade – poderão ajudar terceiros a monitorizar onde vão habitualmente (casa, escola, etc.)
  • Ensine os seus filhos a nunca dizerem “sim” a um estranho que esteja a tentar encontrá-los através de um serviço de localização (poderão receber uma mensagem não solicitada de alguém, por exemplo)
  • Explique aos seus filhos que se utilizarem um serviço de localização como o Google Latitude em conjunção com o seu perfil numa rede social, toda a sua lista de “amigos” saberá onde estão a qualquer momento – sublinhe que é importante que apenas permitam que os amigos reais que conheçam e em quem confiem os localizem
  • Enfatize que deverão pedir ao operador do serviço que os notifique regularmente sobre quem os está a localizar
  • Explique-lhes que nunca deverão aceitar um telemóvel de ninguém (quer conheçam ou não a pessoa) sem obter a sua autorização, uma vez que poderá vir com serviços de localização passiva pré-instalados
  • Veja com os seus filhos que aplicações é que estão a utilizar no telemóvel e se alguma delas parece estar a detectar a localização. Na maioria dos telemóveis, pode fazer isto indo ao menu principal e depois acedendo à pasta de aplicações, abrindo todas aquelas que desconheça e pondo-as em funcionamento. Deve poder apagar qualquer aplicação com a qual esteja descontente
  • Incentive os seus filhos a falarem consigo antes de aceitarem um serviço através do telemóvel, especialmente se receberem uma mensagem não solicitada (“spam”)
  • Não se preocupe com o que acontecerá durante uma emergência se os seus filhos não conseguirem aceder aos serviços de localização por causa da idade estabelecida para a sua utilização – o operador de redes móveis sabe mesmo assim a sua localização e transmitirá essa informação aos serviços de emergência se eles fizerem uma chamada de emergência
  • Se decidir aderir a um serviço de localização passiva (monitorização) dos seus filhos, explique-lhes como funciona, assegure-se de que eles concordam com a sua utilização e aconselhe-os a não deixarem que mais ninguém os monitorize, uma vez que isso os poderá colocar em risco, mas não se esqueça de que estes tipos de serviços não substituem a supervisão parental, apenas a complementam
  • Se você ou os seus filhos quiserem cancelar um serviço baseado na localização, veja como o pode fazer junto do operador de redes móveis
  • Se estiver muito preocupado acerca dos serviços baseados na localização, não dê aos seus filhos um telemóvel com GPS ou Wi-Fi ou, se já tiverem um telemóvel com estas tecnologias, desactive-as

Onde me posso dirigir para obter mais informação e apoio?

Que idade têm os seus filhos?

O que precisa para começar

  • 5-7 anos

    A tecnologia faz parte da vida dos seus filhos antes de iniciarem o ensino primário. Provavelmente utilizam o computador, a internet e a televisão interactiva por divertimento, para ver programas no canal de televisão e no website CBeebies ou para a participar nas salas de conversação do "Club Penguin"... no entanto, necessitam ainda da orientação e supervisão de adultos.

  • 8-11 anos

    Se tiver filhos com 8 a 11 anos de idade, a sua casa está provavelmente repleta de tecnologia: a PlayStation, a Nintendo, o iPod… a lista continua. De facto, estudos mostram que crianças entre os 8 e os 11 anos de idade no Reino Unido têm em média quatro equipamentos no seu quarto.

    Esta idade é decisiva para os jovens adoptarem novas tecnologias e desenvolver as suas capacidades na área das tecnologias da informação, tanto em casa como na escola… e é também uma altura decisiva para você assumir o controlo quando eles começam a explorar o mundo digital, bem como o mundo real.

  • 12-14 anos

    Frequentam o ensino básico e estão a crescer rapidamente. É uma altura de mudança e o seu mundo digital pode parecer-lhes tão importante como o mundo real. Podem passar a noite no Bebo, no Facebook ou no MySpace, a ver vídeos no YouTube e a carregar os seus próprios vídeos para outros os verem; ou a pesquisar para os trabalhos de casa.

    Com certeza pretende estimular as suas capacidades em termos de tecnologia e socialização, portanto é útil perceber o que eles fazem com a tecnologia e envolver-se também com ela.

  • +15 anos

    Na adolescência, os seus filhos tendem a pensar que percebem muito de tecnologia e que são capazes de lidar com tudo aquilo com que se deparam no mundo digital. Provavelmente assiste com espanto à forma como intercalam a conversa com os amigos no Facebook , como actualizam o perfil no Twitter, como jogam com alguém do outro lado do mundo na consola ou como transferem músicas para o telemóvel.

    Tudo representa divertimento. Porém, à medida que ficam mais velhos, aquilo de que você necessita para lidar com o mundo digital dos seus filhos torna-se ainda mais desafiante. Em vez de os deixar, precisa, de facto, de continuar a comunicar com eles.

Teste os seus conhecimentos

O utilizador médio do Facebook tem 130 amigos no seu perfil

Faça o nosso teste para ficar a saber em que medida compreende as novas tecnologias. É rápido e fácil e irá ajudá-lo a decidir quais as partes do website que irá visitar.